Clari Izabel Dedavid Favero

Área de identificação

tipo de entidade

Forma autorizada do nome

Clari Izabel Dedavid Favero

Forma(s) paralela(s) de nome

Formas normalizadas do nome de acordo com outras regras

Outra(s) forma(s) do nome

identificadores para entidades coletivas

área de descrição

datas de existência

história

Nasceu em 27 de novembro de 1949, em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul (Brasil). Filha de Antônio Dedavid e de Catarina Tonietto Dedavid. Cursou o ginásio no Colégio Estadual Cristóvão de Mendoza e, posteriormente, ingressou na Escola Normal Duque de Caxias (atual Instituto Estadual de Educação Cristóvão de Mendoza), onde começou a militar no movimento estudantil, com atuação no grêmio escolar. Nesse período, conheceu o marido Luiz Andrea Fávero, então presidente da União Caxiense de Estudantes (UCES). Na cidade, colaborou na construção da Vanguarda Revolucionária Palmares (VAR Palmares), juntamente com outros companheiros. Em junho de 1969, com o recrudescimento do Regime Civil Militar, a direção regional da VAR Palmares orientou a mudança do casal para Nova Aurora, no oeste do Paraná, onde moravam os pais de Luiz Andrea. Durante o período de permanência naquela região, Clari e Luiz Andrea colocaram em funcionamento uma escola, com autorização da Secretaria Municipal de Educação e o apoio da comunidade local. Lá atuaram na educação de crianças e, com base na metodologia de Paulo Freire, de adultos agricultores. Em Nova Aurora, contaram com o apoio de oito militantes da VAR Palmares e de simpatizantes nas atividades de conscientização política. Na madrugada do dia cinco maio de 1970, uma grande operação do exército, com setecentos homens, comandada pelo Batalhão da Polícia Militar de Curitiba com o Batalhão de Fronteiras de Foz do Iguaçu, prendeu e torturou o casal no sítio onde viviam. Após algumas horas, eles foram levados ao Batalhão de Fronteira de Foz, onde intensificaram as torturas com a chegada de agentes do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) do Rio de Janeiro, o Esquadrão da Morte. No dia dezoito de setembro, Clari e Luiz Andrea foram transferidos ao DOPS de Porto Alegre (RS) e submetidos a novas torturas e inquéritos. O casal voltou ao Paraná após o julgamento e a absolvição de Luiz Andrea por participação em passeatas no ano de 1968. Naquele estado, Clari foi enviada à prisão de Piraquara, de onde saiu com auxílio das Irmãs Vicentinas. Foi julgada e condenada no dia treze de julho de 1971 a dois anos de prisão por ações subversivas, entre outras alegações. No retorno a Caxias do Sul, com o apoio de militantes da VAR Palmares, o casal conseguiu fugir para o exílio no Chile, de janeiro de 1972 a dezembro de 1973, e lá militou na Unidade Popular (UP), do governo de Salvador Allende. No entanto, devido ao golpe que derrubou Allende, partiram para o exílio na França, com o amparo das Nações Unidas, onde permaneceram por treze anos e tiveram dois filhos. Em Paris, participaram da fundação do Comitê Brasil Pela Anistia. Ao retornar ao Brasil, na década de 1980, Clari e Luiz Andrea se estabeleceram no Recife (PE) a convite do então Governador Miguel Arraes.
Dados extraídos da entrevista.

Locais

status legal

funções, ocupações e atividades

Mandatos/Fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

contexto geral

Área de relacionamento

Área de controle

Identificador do registro de autoridade

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status

Nível de detalhamento

Datas de criação, revisão e eliminação

Idioma(s)

Sistema(s) de escrita(s)

Fontes

Notas de manutenção