Subarquivo AL - Álbum Fotográfico - Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado e Caxias

Capa Fotografia - Álbum Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado... Fotografia - Álbum Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado... Fotografia - Álbum Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado... Fotografia - Álbum Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado... Fotografia - Álbum Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado... Fotografia - Álbum Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado... Fotografia - Álbum Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado... Fotografia - Álbum Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado... Fotografia - Álbum Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado...
Resultados 1 a 10 de 73 Mostrar tudo

Zona de identificação

Código de referência

BR RS APMCS DIR-AL

Título

Álbum Fotográfico - Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado e Caxias

Data(s)

  • 1885 - 1897 (Produção)

Nível de descrição

Subarquivo

Dimensão e suporte

Dimensões: 27cm x 34cm
Total de páginas: 67
Dimensões das fotografias: 18cm x 34cm
Total de fotografias: 67

Zona do contexto

História do arquivo

O álbum Recordação das Colônias Conde D’Eu, Dona Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado e Caxias, reúne um conjunto de 67 imagens fotográficas que documentam os primórdios da imigração italiana no Rio Grande do Sul, entre os anos de 1885 a 1897.
Esse álbum chegou até o Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, em 1977, pela doação de Siena Maria Calcagnotto Darsie e sua filha, Luiza Helena Darsie. O álbum estava sob a guarda de Eloy Ibanez Darsie, natural de Carlos Barbosa, esposo de Siena e pai de Luiza.
Segundo a família, quando Eloy prestou serviço militar no Quartel em Carlos Barbosa, recebeu o álbum do sargento Jesus Nunes Duarte, transferido para o norte do país em 1932, para exercer a função de monitor do Colégio Militar do Ceará. Duarte deixou o álbum para o amigo Eloy Darsie. O álbum ficou com a família por muito tempo e, quando o Museu e Arquivo Histórico Municipal de Caxias do Sul, realizaram suas campanhas junto à comunidade para doação de acervo museológico e documental àquela instituição pública, Siena e Luiza Darsie decidiram doar aquele registro ainda inédito para a cidade, tornando-o um documento público e socializando o seu conteúdo.

Reconhecida a importância do seu conteúdo, suas imagens foram constantemente reproduzidas servindo como documento e referência em exposições, publicações e trabalhos acadêmicos no Brasil e no exterior.
Em 2015, o álbum passou por processo completo de restauração assegurando uma sobrevida ao conjunto da obra e as imagens nele contidas. Os originais fotográficos além de restaurados foram digitalizados reduzindo assim, o seu manuseio, um fator fundamental à sua preservação e, ao mesmo tempo, facilitando o acesso a esse patrimônio documental.

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Doação: Siena Maria Calcagnotto Darsie e sua filha, Luiza Helena Darsie
Data: 1977

Zona do conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

O álbum fotográfico possui 67 imagens fotográficas que registram o processo de colonização e todas as atividades relacionadas à ocupação das colônias como abertura de picadas e estradas, construção das primeiras casas e capelas, a paisagem rural e os núcleos urbanos nas colônias Conde D’Eu (Garibaldi), Dona Isabel (Bento Gonçalves), Alfredo Chaves (Veranópolis) Antônio Prado e Caxias.
As imagens que documentam a organização das colônias, sobre um relevo ingrato, as incipientes sedes urbanas revelam ruas e logradouros ladeados por residências, cafés, hotéis, casas de negócios, igrejas e campanários.
Em outras imagens a plantação de parreirais, o trabalho na construção de estradas e pontes, carretas e tropeiros, moinhos e serrarias, imagens que registram o sucesso das colônias pelo esforço dos imigrantes e pelo suporte oferecido a estes pelos representantes da Comissão de Terras.

A necessidade em documentar o sucesso da colonização no Rio Grande do Sul motivou o registro dessas e de outras imagens fotográficas. A política migratória para o Brasil, empreendida pelo governo imperial no final do século XIX, exigiu a organização de representações oficiais na Itália. Em 25 de maio de 1889, chegava até o escritório da Comissão de Terras e Colonização de Caxias, um ofício assinado pelo engenheiro Manoel Maria de Carvalho, Comissário Geral do Brasil na Itália, responsável pela instalação em Gênova do escritório de informações sobre o Brasil.
Nesse ofício, comunicava o engenheiro, sua pretensão em recolher material das províncias brasileiras com o objetivo de realizar a propaganda da imigração italiana e para tanto, solicitava material de divulgação, tais como mapas, livros, leis, produtos manufaturados, documentos e, entre esse material, “photographias de bom tamanho e bem tiradas”. As imagens seriam utilizadas “(...) para adornar as paredes dos escriptorios, como para formarem album com as designadas províncias e outros esclarecimentos a fim dos visitantes conhecerem os progressos de nossas províncias” Continuava descrevendo que as fotografias poderiam vir sem moldura e os mapas sem as varas de guarnição, mas que todo o material viesse duplicado, para poder ser aproveitado no escritório a ser montado também em Milão.
Em outro ofício de 22 de outubro de 1889, Carlos Leopoldo Ferreira, Engenheiro da Comissão de Terras de Caxias, notificava à Inspetoria Especial de Terras e Colonização de Porto Alegre, a necessidade de substituir fotografias, por outras em melhores condições. Infelizmente não trata o referido documento do motivo que levou a contratação do fotógrafo para realizar as imagens. O fato é que este o fez, talvez para cumprir a solicitação do representante do governo brasileiro na Itália ou quem sabe para produzir imagens que junto aos mapas, memoriais de medição, estatísticas e ofícios documentavam o trabalho dos escritórios nas colônias.
Podemos perceber a intenção do fotógrafo em documentar. Procurava os melhores ângulos para registrar a colônia e seu povo, ângulos tão bons que hoje usando ferramentas tecnológicas podemos descobrir panorâmicas na mira de suas câmeras.

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de organização

As fotografias foram mantidas na ordenação original do álbum, sua numeração segue de 01 a 67.

As imagens fotográficas foram realizadas em diferentes momentos e acreditamos por diferentes fotógrafos, como e quais os critérios para a organização do

Zona de condições de acesso e utilização

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de descrição

Zona de documentação associada

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Zona das notas

Nota

A restauração do álbum fotográfico Recordação das Colonias Conde D’Eu, D. Isabel, Alfredo Chaves, Antonio Prado e Caxias restituiu a integridade física do mesmo, preservando suas características originais, através da restauração das fotografias e respectivos suportes de papel, da reestruturação da sua encadernação e do seu acondicionamento.
Os problemas de conservação deste álbum tornaram imprescindível seu tratamento. Sua deterioração estava presente na capa e na lombada, nas folhas internas e nas fotografias amareladas e esmaecidas.

O projeto de restauração do álbum fotográfico Recordação das Colônias, no valor de R$ 33.645,00, foi apresentado pelo Arquivo Histórico Municipal e a Associação dos Amigos da Memória e do Patrimônio Cultural de Caxias do Sul (Moúsai) aprovado no sistema municipal de financiamento à cultura de Caxias do Sul (LIC), em dezembro de 2013.
O projeto teve como patrocinadora a empresa Randon S/A e, desta forma, o álbum pode ser encaminhado, no início de 2014, para ser restaurado pela empresa indicada pela FUNARTE, Papel Passado - Atelier de Restauração, sediada no Rio de Janeiro.

O processo de restauro contemplou a desmontagem, tratamento e remontagem do álbum; a digitalização e tratamento das imagens; o tratamento do papel suporte e das 67 fotografias, bem como o registro das intervenções de restauro.
As 67 imagens fotográficas foram removidas de seu suporte em papel, sendo possível, desta forma, a restauração dos mesmos separadamente.

Uma vez tratadas individualmente as imagens, foram definidos critérios para sua digitalização, gerando arquivos de conservação de alta qualidade, permitindo o armazenamento de todas as informações contidas nos originais.
Considerando o caráter histórico e informativo do álbum, foi realizado tratamento químico para neutralizar a acidez do suporte, conferindo uma sobrevida maior ao material.
As folhas de papel foram submetidas à limpeza mecânica, remoção de resíduos de poeira e dejetos de insetos, bem como, de pontos de oxidação e manchas. Foram realizados, ainda, banhos de higienização, alcalinização e reencolagem do suporte, seguidos de secagem lenta e gradual. Os reparos (enxertos e obturações) foram realizados com papéis compatíveis em gramatura e coloração semelhantes aos originais.

A capa e a lombada sofreram processo de higienização, imunização e hidratação profunda. A capa original recebeu reforço de materiais similares em todas as bordas e vértices. A lombada do álbum foi totalmente substituída, realizada a recostura, seguindo o modelo da costura original, feita com linha de algodão.
Foi acrescentado o entrefolhamento em papel japonês de baixa gramatura, folhas finas intercaladas entre as fotos para maior proteção, evitando o seu contato direto com o suporte.
O álbum foi acondicionado em caixa rígida, devido as grandes dimensões do álbum e, com o propósito de salvaguardar o volume das impurezas do ambiente, facilitando também, sua mobilidade sem comprometer o seu conteúdo.

Nota

Para conhecimento do processo de restauração acessar relatórios do Atelier de Restauração, de Nazareth Coury e Cleide Messi.

Nota

Nota

Identificador(es) alternativo(s)

Pontos de acesso

Pontos de acesso - Assuntos

Pontos de acesso - Locais

Pontos de acesso - Nomes

Pontos de acesso de género

Zona do controlo da descrição

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Estatuto

Nível de detalhe

Datas de criação, revisão, eliminação

Línguas e escritas

Script(s)

Fontes

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Géneros relacionados

Locais relacionados